TICNOVA 2016

Evento começa prestigiado e com teatro lotado

TICNOVA Evento começa prestigiado e com teatro lotado Na abertura do TICNOVA, na quarta-feira, 17 de agosto, com o Teatro Calil Haddad lotado e a presença de muitas autoridades, o empresário João Ricardo Mendes, fundador do Hotel Urbano, conquistou o público com simpatia e uma história pouco convencional. Mendes fez a palestra “Empreendedorismo e Resiliência”, em que contou como ele e o irmão criaram o Hotel Urbano, como o empreendimento foi vendido e, para surpresa de todos, como estão as negociações para voltarem ao comando da empresa. Mendes contou que perdeu o pai “ainda jovem”. Entrou e desistiu de duas faculdades – medicina e advocacia – e foi viver em Londres, onde estudou e trabalhou. Ao voltar ao Brasil, no final de 2002, abriu uma empresa de e-commerce. Em 2009/2010, criou, juntamente com o irmão, o Hotel Urbano, uma espécie de agência de viagens online. “O objetivo era aumentar a taxa de ocupação dos hotéis, principalmente nas baixas temporadas”, disse. Para auxiliar na divulgação, o Hotel Urbano criou a maior página de viagens do Facebook, que chegou a mais de 13 milhões de fãs. “O case é estudado até hoje pelo Facebook”, garante. O sucesso do Hotel Urbano chamou a atenção do mercado e os irmãos venderam partes do empreendimento para diversos fundos de investimento e investidores. No final de 2015, ele e o irmão foram pressionados pelos investidores a vender controle do Hotel Urbano para o fundo de investimento americano Insight. Depois de muita luta deles para continuar no comando, a venda foi concretizada. Os irmãos continuaram sócios e participando do conselho de administração. Mas, sem atuar pela empresa. Segundo Mendes, depois que o Hotel Urbano foi vendido, os resultados desabaram a ponto de o seu irmão imaginar o fechamento do mesmo. “Senti que ele estava triste com esta possibilidade. Fui até a empresa e fiz uma oferta de compra. Para minha surpresa, os controladores abriram a negociação e hoje estamos discutindo valores”, revelou. Em julho de 2015, o Hotel Urbano foi avaliado em R$ 2 bilhões. O cachê de Mendes para fazer a palestra em Maringá foi totalmente revertido em favor de uma ONG. Autoridades Antes da palestra de Mendes, o público assistiu a uma apresentação da Camerata da Unicesumar. Depois, vieram os discursos. Valdecir Simão, Pró-Reitor da Unicesumar, frisou que o TICNOVA tem uma abrangência que todos desconhecem já que trabalha com conhecimento e inovação “que levam a grandes transformações na sociedade”. Júlio Cesar Damasceno, Vice-Reitor da UEM, disse que o evento é um marco para a cidade, o estado e o país. Ele ressaltou que o setor de TIC tem responsabilidade no sucesso da cidade, que é um exemplo de desenvolvimento econômico e social. “E a UEM participa deste processo, já que há décadas forma profissionais que atuam na área”. Representando a Cocamar, o executivo Marco Alarcon, lembrou que a inovação tem que estar presente em todos os processos de uma empresa. “É gratificante ver o desenvolvimento do agronegócio e da cidade como um todo. Neste processo, a academia é fundamental para contribuir com a inovação constante”. O presidente da Unimed, Daoud Nasser, comentou que o TICNOVA, em sua quarta edição, está consolidado e que “é um orgulho” fazer parceria com o evento. “A inclusão de trilhas de saúde e agronegócio mostra que os dirigentes estão preocupados com o crescimento do TICNOVA”, disse. Ele também lembrou o Hackathon especial voltado a soluções para a área de saúde que será realizado no dia 27. Representando Secretaria de Ciência e Tecnologia do Paraná, Evandro Razotto, falou sobre a criação da Governança de TIC e da organização do setor no estado. “Juntos, estamos construindo a sociedade que queremos. Graças ao diálogo, nosso estado que já é um pólo no Brasil, será referência no setor de tecnologia da informação também no mundo”. A consultora do Sebrae, Érica Sanches, lembrou a história do movimento do setor que culminou com a criação do APL de Software e de várias entidades que colocaram o setor no caminho do desenvolvimento. “Os empresários queriam apenas se organizar. Depois, viram que eram capazes de sonhar, de planejar e conquistar. Na sequência, se juntaram a outras instituições para crescer ainda mais”, frisou. O gerente do Senai/CTM e presidente do Centro de Inovação de Maringá, Luiz Antonio Mendonça, afirmou que considera o setor de TI como o que tem “maior dinamismo em inovação e atitudes inovativas. O presidente do SindTI, Marcese Maschietto, comentou que a palavra que define o setor é “união”. Para ele, Maringá está vocacionada para criar softwares de ponta. Cidade inovadora O presidente da SbM, Edney Mossambani, também focou na união para justificar o crescimento do setor. Para o dirigente, as empresas locais sempre foram muito boas em trabalhar com RP e descobriram que poderiam ser boas em outros segmentos do setor. “Queremos ser a cidade mais inovadora do Brasil”, disse. Segundo Mossambani, Maringá tem vocação para resolver problemas. E, nesta tarefa, é fundamental a participação das empresas, academia e mercado. “Nos unimos para construir empresas fortes, pagar melhores salários e manter nossos talentos aqui, fazendo de Maringá um lugar melhor e com qualidade de vida”. Ele também elogiou a Unimed e a Cocamar ao lembrar a parceria com os setores de saúde e agronegócio. O prefeito Roberto Pupim citou várias ações realizadas pela prefeitura em prol do setor de TIC de Maringá, como o repasse do antigo aeroporto para abrigar a SbM e empresas incubadas, a cessão do antigo armazém do IBC para viabilizar o Armazém Digital e a lei do ISS Tecnológico, entre outros.

Assessoria de Imprensa - Dirceu Herrero.