Maior novidade será na maratona de programação: inscritos deverão criar tecnologia para drones e testá-la no centro de Maringá

O desenvolvimento da tecnologia requer investimentos em inovação que se transformem em aplicações práticas, facilitando a vida das pessoas e, com isso, potencializando a criação de novos negócios. Esta é a aposta da 5ª edição do TICNOVA, evento do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) de Maringá e região, que será realizado entre os dias 22 e 24 de agosto.

O evento foi apresentado aos empresários do setor na última sexta-feira do mês de Junho. Segundo a presidente da Software by Maringá, Rafaela Campos, duas preocupações estão norteando a organização do TICNOVA. “Estamos preparando um conteúdo de altíssimo nível, com palestras que realmente façam a diferença no dia a dia do público e criando uma ambientação criativa para que as pessoas respirem inovação durante todo o evento”, frisa.

A abertura será realizada no Teatro Calil Haddad no dia 22 de agosto, a partir das 19:30, com palestra magna do Cientista Chefe da IBM Brasil, Fabio Gandour. Ele abordará o tema Inteligência Artificial e terá como subtema Computação Cognitiva.

Nos dois dias seguintes serão realizados minicursos, palestras e workshops, sempre no Sebrae. Este ano, as trilhas do TICNOVA serão: Dev (desenvolvedores), Biz (Empresários) e StartUp. O evento reunirá empresários, profissionais, professores, pesquisadores e acadêmicos do setor de TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação).

As palestras, minicursos e workshops serão voltados a temas estratégicos da área. O objetivo é promover a integração de pessoas, incentivar a geração de empresas, produtos e serviços inovadores por meio de atualização tecnológica, difusão de tendências, aplicação de conceitos e geração de inovação.

Maratona de programação

Denominada Desafio TICNOVA, a maratona de programação deixa o formato tradicional dos hackathons, realizados em 24 horas ininterruptas, para se tornar mais atrativa e efetiva. Para começar, desde já, os interessados já conhecem o tema proposto para o desafio: criar uma tecnologia que permita a entrega de medicamentos por meio de drones.

A programação prevê que, no dia 29 de julho, as equipes inscritas no Desafio TICNOVA receberão treinamento sobre a tecnologia de drones; no dia 12 de agosto os finalistas receberão mentorias da empresa DJI; no dia seguinte (13), serão feitos os testes de voo na região central de Maringá, quando os drones deverão percorrer um caminho previamente estipulado. Os vencedores serão conhecidos na abertura do TICNOVA, dia 22 de agosto.

Além de um prêmio de R$ 5 mil, a equipe vencedora estará apta a levantar recursos de até R$ 95 mil para investir na viabilização da melhor solução apresentada. O investimento será disponibilizado pela Evoa, uma aceleradora de empresas que está sendo formada por empresários do ecossistema local e que será lançada durante o TICNOVA.

As três equipes finalistas também terão à disposição uma equipe de mentores que discutirá a viabilidade e as condições de inserção da tecnologia no mercado. Ilson Rezende, presidente do Armazém Digital, é um dos organizadores do Desafio TICNOVA. Outros mentores serão Jefferson Nogaroli, presidente do Sicoob Unicoob; Ideval Curioni, presidente do Sicoob Metropolitano; Joaquim Cardoso e Walcir Franzoni, empresários da área de tecnologia, entre outros.

Drones

O uso de drones no desafio não é por acaso. Maringá está se preparando para ser grande produtora de tecnologia embarcada nestes equipamentos. Graças a uma parceria firmada entre a SbM e a DJI, a maior fabricante de drones do mundo, foi criado um grupo que trabalhará no desenvolvimento de tecnologia voltada exclusivamente para o equipamento. Um dos parceiros do projeto é a Aldo Componentes Eletrônicos, que revende drones no país.

O projeto também está em consonância com o Masterplan, um Planejamento Socioeconômico de Maringá para 2047. Estudos feitos para o Masterplan indicaram o grande potencial das empresas de alto valor agregado e que a cidade está apta a desenvolver tecnologia para o mundo.

O vice-presidente da SbM, Ricardo Matiello, é um dos entusiastas do projeto e frisa que as alianças estratégicas entre as empresas locais que abraçaram a causa, a DJI e a Aldo, permitirão o desenvolvimento de tecnologias que podem ser embarcadas nos drones e exportadas para qualquer país.

A própria empresa de Matiello já desenvolveu um software para drones, voltado para o setor do agronegócio, com potencial para ser exportado para toda América Latina e com investimento relativamente baixo em relação a outras tecnologias. 

Segundo Matielo, durante o Desafio TICNOVA, os voos dos drones deverão respeitar o controle de tráfego aéreo, inclusive com aprovação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

As inscrições para o TICNOVA e para a Maratona de Programação já estão abertas. Mais informações no endereço  ticnova.com.br .

 

texto: Dirceu Herrero