Emissor CT-e

Blog destinado aos assuntos relacionados ao Emissor de CT-e.

"Em alguns anos vão existir dois tipos de empresas:
As que fazem negócios pela internet e as que estão fora dos negócios".
Você pode não se recordar do autor desta citação, mas com certeza o conhece. A mesma foi dita há alguns anos pelo fundado da Microsoft, Bill Gates, um dos homens mais visionários no universo da tecnologia, apresentando o grande poder que a internet trazia consigo e o gigantesco universo de dados, tecnologias (assim como possib

Continue lendo


Para emitir um CT-e , alguns dados são obrigatórios, como o CNPJ e a Inscrição Estadual do Emitente (IE). Quando estes dados são informados e não são os mesmos vinculados ao emitente registrado na SEFAZ, apresentando divergência entre os números informados na base da Receita, a Rejeição 231 do Conhecimento de Transporte Eletrônico será apresentada.
Exemplo:
Na emissão de um CT-e , o emitente insere o CNPJ correto, co

Continue lendo

Desde muito tempo atrás, a SEFAZ possibilita, através da chave da Nota Fiscal Eletrônica emitida e uso do certificado digital, a visualização e download dos arquivos e informações gerados, possibilitando ao usuário a verificação da validade do documento emitido e cópia do XML.

De um modo geral, este é o proposito fundamental da ferramenta, perante alguns percalços que possam surgir na rotina das empresas. Com certeza é um meio muito

Continue lendo

Esta rejeição será apresentada na emissão do CT-e quando:
O emitente não é um contribuinte do ICMS;
O número da IE está incorreto;
O cadastro está desatualizado na SEFAZ.
Exemplo:
Quando há alguma inconsistência no preenchimento da IE, o emitente deve verificar se o campo foi preenchido corretamente. Caso sim, regularizar-se na SEFAZ na decorrência de alguma divergência cadastral ou, caso for Isento, preencher o campo da IE com o term

Continue lendo

Esta rejeição é apresentada quando o campo da Inscrição Estadual (IE) do emitente encontra-se vazio na emissão de um CT-e.
Exemplo:
O campo da Inscrição Estadual é de preenchimento obrigatório. Quando a empresa não possuir a mesma, deverá apresentar no preenchimento do campo o termo ‘ISENTO’.
 

Continue lendo

Esta rejeição será apresentada quando, na formação do arquivo XML do CT-e, não forem apresentados o valor “CTe” (literalmente) e o valor da Chave de Acesso do mesmo concatenados no campo infCTe.
Exemplo:
Ao emitir um CT-e, no o campo infCTe, por algum motivo, surge um espaço entre a informação “CTe” e a Chave de Acesso. Neste sentido, a rejeição 227 será apresentada. Para solucionar esta situação, o campo infCTe de

Continue lendo

Está rejeição ocorre quando o campo de identificação do código da UF (cUF_B02) não condiz com a UF da SEFAZ de autorização, ou seja, a UF configurada no ERP e a apresentada no XML do CT-e não são as mesmas.
Exemplo:
Quando uma empresa de um determinado estado tenta autorizar CT-e na SEFAZ de um estado diferente da UF do emissor, a rejeição é apresentada. Para corrigir esta situação, deve-se informar a UF do receptor igual a

Continue lendo

Está rejeição apresenta-se de forma genérica, indicando um erro no preenchimento do CT-e e na formação de seu arquivo XML. Pode ocorrer, por exemplo, perante algumas situações, como:
Presença de espaços entre as TAG do XML;
Quebras de linhas no arquivo XML (linha em branco entre dados);
Caracteres especiais presentes no documento (por exemplo: !@#$%);
Nome de alguma TAG criada erroneamente ou com nomenclatura desatualizada perante a versão atual do document

Continue lendo

Esta rejeição ocorre quando o emissor tenta inutilizar alguns números do Conhecimento de Transporte Eletrônico, informando a faixa inicial maior do que o a numeração da faixa final.
Exemplo
Ao tentar inutilizar um determinado intervalo de números do CT-e (40 ao 50, por exemplo), caso os parâmetros informados para a inutilização forem, 50 para faixa inicial e 40 para final, a Rejeição 224 “A faixa inicial é maior que a faixa final”, ser

Continue lendo

Ao emitir um documento fiscal eletrônico, e enviá-lo aos servidores da SEFAZ, os mesmos realizam verificações necessárias para a autorização do documento, não filtrando, contudo, informações essenciais que podem resultar em passivos.
O fato é que, tal situação não ocorre por um ato de má fé mas, em muitos casos, por desconhecimento ou até mesmo erros operacionais, permitindo que inconsistências apareçam, assi

Continue lendo