O governo admite que falha na infraestrutura impossibilita a garantia de que não sejam formadas filas nos portos no escoamento das safras de grãos, pois o Brasil ainda não possui o necessário para que seja possível dar esta garantia. Apesar de algumas medidas já terem entrado em vigor, a fim de minimizar esse problema, que acarreta no atraso das cargas, prejudicando toda a cadeia logística de escoamento, longas filas já se formaram este ano.

Agendamento de cargas congestionamento

Para que as filas não voltem a tomar proporções gigantescas, como em outros anos, o governo está atuando com fiscalizações e multas pesadas. No final de fevereiro, a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) divulgou uma nota confirmando a aplicação de um total de R$ 300 mil em multas a quatro terminais que descumpriram a regra de agendamento das chegadas dos caminhões para descarga .

Ainda no final de fevereiro, foi realizada uma reunião com produtores, tradings e ministérios da Agricultura e Transportes, reforçando a necessidade e a importância do agendamento , já que está existindo resistência do setor privado em aderir a essa facilidade.

Grande aposta do governo

O uso do agendamento de cargas é a grande aposta do governo para que o gargalo nos portos seja reduzido, pois diversas situações podem ser evitadas com a descida programada de veículos. Porém, desde o início da safra já foram registrados episódios de filas de caminhões sem o agendamento . O ministro da Secretaria Especial dos Portos (SEP), Antonio Henrique Silveira, afirma que apesar de precisar de infraestrutura, não é possível prover imediatamente as necessidades do país, por isso o reforço no controle do tráfego de caminhões e o convencimento aos produtores de planejar e agendar o embarque de grãos é a solução mais adequada para reduzir o problema no momento. Além disso, a aplicação de multas pode vir a encarecer o frete.

Strada Soluções em Tecnologia