Qual é o valor de um planejamento de comunicação eficiente para uma empresa do setor de transportes e logística, mais precisamente quando o assunto é a recepção e expedição de cargas e, indo além, os impactos nas diversas operações, setores e entidades envolvidas?

Vejamos. A maioria dos métodos utilizados para o agendamento de docas e a organização de horários por transportadores (citamos e-mail, telefone, sistemas adaptados sem foco nos processo ideal, passando até mesmo pela caneta e o papel), denotam um esforço desnecessário e muitas vezes burocrático, sem garantia de precisão e qualidade para toda a cadeia logística. Vamos nos lembrar que, atualmente, uma empresa não pode mais se dar ao luxo de olhar apenas para os seus aspectos internos mas, na crescente busca pela excelência, a vantagem competitiva envolve toda a cadeia de suprimentos e os envolvidos em cada processo que a logística perpassa ( confira um pouco mais aqui ).

Neste sentido, os custos e o desgaste que tais meios podem trazer para a logística empresarial, exige uma melhoria na comunicação, no intuito de amenizar os impactos das apertadas margens impostas pelo mercado, assim como os impactos que limitam a busca constante por melhorias e inovação. Cada percentual de otimização conquistado, garante um grande diferencial na gestão das empresas do segmento. Diante o grande volume de atividades que a logística representa para as empresas, não podemos evitar a análise de que a comunicação é um processo importantíssimo perante todos os indicadores nos negócios realizados. Para exemplificar, confira alguns dados apresentados por especialistas da área, como Paulo Fleury e Rachel Nemecek:

  • 17% do PIB brasileiro é representado por gastos com atividades logísticas.
  • Gastos com transporte chegam na casa dos 10%.
  • Em um ambiente corporativo, os custos chegam a 19% da receita total de uma entidade.
  • No mercado Norte Americano, por exemplo, 40% do tempo dos embarcadores está comprometido com atividades operacionais que envolvem manutenção e alteração nos horários e informações do agendamento, através destes tradicionais meios de comunicação.
  • Em média, 20% dos agendamentos necessitam de reprogramação, gerando impacto para fornecedores, transportadores e clientes (internos e externos).

Melhorias podem (e devem) ser realizadas perante alguns modelos que otimizem a comunicação na cadeia logística. Neste significativo percentual que a logística representa no mercado, é mínimo o número de empresas que automatizam esta importante tarefa de comunicação e agendamento de cargas e descargas para recepção e expedição de mercadorias em um software específico, que seja voltado realmente para as necessidades do setor, com maior precisão de dados, evitando o retrabalho.

Reforçamos que, quando existentes, a maioria dos sistemas não passam de um ERP adaptado, por exemplo, não focando no necessário ou permitindo maior eficiência diante todas as situações diariamente executadas, e exigidas, no agendamento de cargas e descargas. Podemos até dizer que tais softwares se comporta superficialmente e tem uma atuação apenas local, não explorando o real poder da computação nas nuvens, atendendo as necessidades do setor perante todos os envolvidos .

Como resposta negativa para esta situação temos:

  • Problemas na nomeação e agendamento de horários, que resulta em atraso nas docas, assim como acúmulo de caminhões no pátio ou acostamento nas proximidades da empresa, gerando risco de passivos e acidentes;
  • Custos transferidos para clientes, reduzindo a vantagem competitiva, impactando na queda da receita e qualidade perante a cadeia de suprimentos, inviabilizando o crescimento sustentável com base na inovação e otimização de processos.
  • Todos os envolvidos arcam com as consequências. Confira: em pesquisa realizada nos EUA, em junho de 1999, pela Truckload Carrier Association (TCA) , as empresas analisadas perdem cerca de US$1,6 bilhões ao ano com espera em torno de docas para entrega ou retirada de cargas, isto sem contar o risco de estoques defasados, produção inoperante, comercial sem informações precisas e outros pontos que acabam impactando todos os envolvidos.

Assim, tais pontos reforçam que, o planejamento antecipado e agendamento de cargas e descargas , viabilizam não somente ações extremamente eficientes em todo o quadro logístico da empresa, reduzindo custos e gargalos perante a comunicação dos setores (internamente) e envolvidos (externamente), como também apresentam uma real oportunidade de crescimento sustentável e vantagem competitiva em uma gestão fundamentada na busca constante pela inovação e excelência.

 

 

STRADA SOLUCÕES

 

Quer saber mais?

 

Outros Posts relacionados:

Livros e Publicações:

  • Rachel Nemecek - Appointment Scheduling: Achieving the Positive Ripple Effect (2002);
  • Paulo Fleury - Logística Empresarial: A Perspectiva Brasileira (2000)

Mídias / Canais:

  • Trucking Info - http://www.truckinginfo.com/