Eloisa Potrich

   Karma:    Participação:
 0 Atividades |
 48 Publicações |
 10 Comentários
Áreas de Interesse: tecnologia | economia | politica | literatura




O ICMS é o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços. Ele é um imposto de âmbito estadual e por isso somente os governos do Brasil e do Distrito Federal podem instituí-lo.
 
Quando utilizar a Tabela ICMS?
Na hora de emitir uma NF-e de venda sem substituição tributária, serão solicitados os campos de “partilha de ICMS”. Ou, ao gerar a guia na com

Continue lendo




 
O Grupo X. Informações de Transporte da NF-e  possui uma única tag, a modFrete , cujo objetivo é identificar a modalidade do frete, se houver, e o ator da nota responsável pelo transporte dos produtos.
 
O que mudou na NF-e 4.00?
Foram criadas novas modalidades de frete, totalizando 6 possíveis parâmetros para o campo modFrete.


0=Contratação do Frete por conta do Remetente (CIF);
1=Contrata&cc

Continue lendo




 
O Grupo LA. Item / Combustível é um grupo de tags específico para informações sobre combustíveis. 
 
O que mudou na NF-e 4.0?
Com a Nota Técnica 2016.002, que institui a NF-e 4.00, foram introduzidos de campos para os percentuais de mistura do GLP. Também houve a exclusão do campo pMixGN .
 

 
O que devo informar nos novos campos?

descANP

Continue lendo

 
O Grupo I80. Rastreabilidade de produto é um novo grupo de tags introduzido pela Nota Técnica 2016.002, que institui a NF-e 4.00. 
O Grupo I80 permite rastrear qualquer produto sujeito a regulações sanitárias, casos de recolhimento (recall), além de defensivos agrícolas, produtos veterinários, odontológicos, medicamentos, bebidas, águas envasadas, embalagens, etc., a partir da indicação de informações de

Continue lendo

 
O Grupo B. Identificação da Nota Fiscal Eletrônica sofreu algumas alterações ao longo das versões da Nota Técnica 2016.002, que institui a NF-e 4.00. As últimas alterações neste grupo foram apresentadas na versão 1.41 da mesma NT.
 
O que mudou?
Foi retirado o campo indPag (id: B05) e foi acrescentada a opção 5 no campo indPres (id: B25b).
Veja a imagem abaixo:
 
Rejeições
TX

Continue lendo

Estas são frases cada vez mais comuns em empresas de tecnologia, e aqui na TecnoSpeed não é diferente. Pensando nisso,  resolvemos nos reunir para compartilhar histórias engraçadas, marcantes e até mesmo constrangedoras, pois não é fácil trabalhar em um local onde quase 90% dos funcionários são homens, e fica difícil se “enturmar”.
Essa troca de experiência tem sido muito interessante pois vemos que outras mulheres já

Continue lendo

 
O Número Sequencial Único (NSU) é um código numérico gerado pelo Ambiente Nacional da Sefaz para identificar uma Nota Fiscal eletrônica, uma Carta de Correção eletrônica, um Evento da NF-e, ou mesmo um conjunto destes arquivos.
Assim que recebe o a NF-e, a CC-e ou o evento, a Sefaz gera o NSU para esse documento. 
 
Para que serve o NSU?
A principal finalidade do Número Sequencial Único &eacu

Continue lendo

O Grupo de campos “YA. Informações de Pagamento” foi implementado no layout da versão 4.0 da Nota Fiscal eletrônica. Com ele, a NF-e passa a conter informações detalhadas sobre o pagamento realizado em operações acobertadas por NF-e e NFC-e. Esses dados podem ser utilizadas para diversos objetivos do fisco, podendo ser cruzados com informações vindas de outras fontes, o que dificulta fraudes, principalmente envolvendo cartões de cr&eacut

Continue lendo

 
 
No preenchimento de diversos documentos fiscais eletrônicos, como a NF-e, NFC-e, NFS-e, CT-e e MDF-e, é necessário informar a UF do emitente e do destinatário. Essa UF, ou Unidade da Federação, consiste em um número e uma sigla, determinados pelo IBGE, para cada estado do Brasil. Trata-se de uma sigla e de um número fixos.
 
Quando falamos sobre documentos fiscais eletrônicos, o número, chamado de Código da UF, é o mais im

Continue lendo

O MEI (Microempreendedor Individual)  é uma pessoa que trabalha por conta própria (autônomo), mas faz isso de forma legalizada e emite nota fiscal. Esta é uma opção para pequenos empresários, pois se tem menas burocracia e tratamento tributário diferenciado em relação a empresas de maior porte. 
Quais as vantagens de emitir um MEI?
Custo baixo para registro da empresa, que passará a ter um CNPJ.
Carga tributária reduzida e menos burocracia.

Continue lendo